quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Saiba + Transposição do Rio São Francisco


É de conhecimento de todos, ou pelo menos eu acho que é, que o Rio São Francisco que corta a região nordeste do Brasil está sofrendo um processo de transposição de suas águas. O Velho Chico, como é chamado por muitos, necessita de cuidados, bem como a sua transposição. A ideia de transposição das águas existe desde o tempo de Dom Pedro II, já sendo vista, por alguns intelectuais de então, como a única solução para a seca do Nordeste. Naquela época, não foi iniciado o projeto por falta de recursos da engenharia e de consenso na Sociedade.

Orçado em R$ 6,8 bilhões, o projeto, teoricamente, irrigará a região nordeste e semi-árida do Brasil. A polêmica criada por esse projeto tem como base o fato de ser uma obra cara e que abrange somente 5% do território e 0,3% da população do semi-árido brasileiro e também que se a transposição for concretizada afetará intensamente o ecossistema ao redor de todo o Rio São Francisco. Há também o argumento de que essa transposição só vai ajudar os grandes latifundiários nordestinos pois grande parte do projeto passa por grandes fazendas e os problemas nordestinos não serão solucionados. O principal argumento da polêmica dá-se sobretudo pela destinação do uso da água: os críticos do projeto alegam que a água será retirada de regiões onde a demanda por água para uso humano e animal é maior que a demanda na região de destino e que a finalidade última da transposição é disponibilizar água para a agroindústria e a carcinicultura - contudo, apesar da controvérsia, tais finalidades são elencadas como positivas no relatório de Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) em razão da consequente geração de emprego e renda.

A engenharia dos eixos de integração consiste em canais abertos, de seção trapezoidal de 25 metros de largura e cinco de profundidade, impermeabilizados com geomembrana protegida por uma camada de 5 cm de concreto. Nas regiões de travessia de riachos e rios serão construídos aquedutos. Para ultrapassar regiões de maior altitude, serão construídos túneis. Para chegar ao seu destino, as águas devem vencer barreiras impostas pelo relevo. Nove estações de bombeamento para elevar a água serão construídas: três no Eixo Norte, para vencer altitudes de 165 m e seis no Eixo Leste, onde as águas serão elevadas à altitude de 304 m. Está prevista ainda a construção de 30 barragens ao longo dos canais, que funcionarão como reservatórios de compensação para permitir o escoamento da água mesmo durante as horas em que o bombeamento esteja desligado (3 a 4 horas por dia).

De acordo com o governo federal, 12 milhões de pessoas devem ser beneficiadas com o abastecimento de água com a conclusão da obra. A transposição começou em 2007, avaliada em R$ 7 bilhões. Mais de 10 mil operários chegaram a trabalhar simultaneamente no empreendimento, mas atualmente são menos de 4 mil. De acordo com o Ministério da Integração, houve diferenças entre os contratos e a "realidade da obra" que levaram ao corte de gastos.


Reportagem produzida pelo Jornal Nacional sobre a transposição do rio, seus atrasos e as obras realizadas pelo Exército brasileiro:


Reportagem especial realizada pela TV Integração sobre a importância do Rio São Francisco


No nosso país é uma obrigação da sociedade acompanhar tais obras para que surpresas como atrasos e desperdício do dinheiro público não aconteçam. Obras que afetam diretamente a sociedade sendo ela da região nordestina ou sulista, sendo ela do sudeste ou do norte, de leste a oeste, é necessário acompanhamento.

*Com informações do Wikipédia e G1

0 comentários:

Postar um comentário

Todos os comentários necessitam de aprovação!

- Sugestões, críticas e/ou elogios escreva para: geografandoemfoco@gmail.com
- Siga no Twitter: @GeoemFOCO ou @Italocvs